quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Previsões para 2011

Chegou a altura de as televisões darem tempo de antena aos adivinhos, médiums, bruxos e etc e tal. Todos eles fazem previsões e tem a sua piada verificar que não são, nem pouco mais ou menos, coincidentes.
Decidi fazer as minhas próprias previsões para 2011 e verão que não me enganarei. A garantia que têm é a perenidade deste post. Ora cá vão as minhas previsões:

Em 2011 o ano terá 365 ou 366 dias, dependendo de se é bissexto ou não. Muita gente vai nascer e muita gente irá morrer. O Benfica será campeão. Ou o Porto. Ou o Sporting (ok...este último já é piada...). Alguns clubes irão descer de divisão e a selecção portuguesa irá jogar à bola.
Irão haver sismos, tempestades, vulcões e tremores de terra. E tsunamis também.
Vão haver pessoas presas em minas e muitas delas vão continuar incógnitas depois de de lá saírem.
Portugal vai estar em crise e vão haver pessoas no desemprego. Os livros vão continuar a ser considerados artigos de luxo e vão continuar a ser caríssimos. As pessoas ficarão intrigadas sobre porque é que se lê pouco em Portugal.
O IVA vai subir e os preços da luz e da água, do gás, dos alimentos, dos combustíveis e dos demais produtos de carácter comercial também.

E eu continuarei parvo.

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

É impressão minha...



...ou na nova publicidade da Nespresso, o George Clooney está a ser vítima de bullying? É que "Deus" parece mesmo ter um comportamento típico de um bullie!

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Alertados novamente, finalmente chegaram a isto...

Depois de eu os alertar para o erro eles corrigiram para...

Serão influências do novo acordo ortográfico?...

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Avião da TAAG perde peças em voo

Na manhã da passada Segunda-Feira uma aeronave Boeing 777 da companhia aérea angolana TAAG foi forçado a regressar e aterrar de emergência no aeroporto de Lisboa  de onde tinha partido cerca de 50 minutos antes. Fontes no local informaram que o regresso deveu-se a problemas técnicos mas não souberam precisar.
Simultâneamente a este incidente, em Almada vários automóveis foram atingidos por peças metálicas que caíram do céu, pelo que se supõe que sejam peças pertencentes à aeronave incidentada.
Testemunhas afirmaram ter visto peças metálicas de dimensões consideráveis de 5 por 15 centímetros, alegadamente partes de um dos motores. Outras testemunhas alegaram ter recolhido ainda uma chave inglesa e uma chave de fendas.
Noutra rua de Almada houve quem dissesse ter ainda visto um mecânico cair do céu. A dona Dolores conta-nos o que viu: "Portantes é assim, eu vi assim, como uma coisa que parecia um gajo, 'tas a ver? Tipo, o gajo vinha a cair do céu e eu só me lembro de gritado pó meu hôme a dzer, pá, esconde a droga que a polícia vem aí!"
Segundo Alípio Barbas, controlador aéreo, o avião da TAAG não tinha autorização para a descolagem, nomeadamente porque estava ainda a sofrer reparações a nível do motor. Este controlador aéreo alertou ainda os pilotos por diversas vezes para o facto de estar, o que parecia ser um homem de fato de macaco, agarrado à asa enquanto o avião descolava.

Mais informações serão fornecidas sobre este incidente à medida que forem sendo disponibilizadas.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

A tecnologia tem destas coisas

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Lista de Natal

Este Natal quero a paz no mundo, quero a erradicação da pobreza e quero um Prius.
Comecemos pelo Prius...

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Pensamentos....ahh, pensamentos...

Imagination is overrated: walk naked on the street!

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Pensamentos

Aquele cavaleiro usava óculos com umas lentes tão grossas mas tão grossas que as pessoas já o tratavam por Sir Lens-a-lot.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Será que fica mal dizer que adoro o meu trabalho?

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Woohoo!!

Não tenho estado no topo das minhas capacidades ultimamente mas desde que fui ao carro buscar o colete tenho reflectido muito melhor

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Actualidade deste nosso País

Segundo a Lusa, hoje à tarde o nosso ministro das Finanças garantiu que o próximo orçamento terá medidas para melhorar a receita e que o Governo irá extinguir "todos os organismos que forem necessários".

- Preferia que o governo extinguisse os organismos que são desnecessários, mas são opções e há que respeitar...

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Ahh, esqueci-me!

Lembrei-me agora que não acabei de descrever como foram as minhas férias! Será que ainda vale a pena?

Dia Europeu sem carros

Cheguei agora a casa com a sensação de que cumpri o meu dever. Não utilizei carro neste dia que é suposto ser sem carros. Fui a pé para o trabalho e regressei também por intermédio dos pés e pernas. A minha força motor hoje foi...bem, fui eu.

Ah, mas tu não tens carro! - dirão as más línguas.
Não vale, moras perto do trabalho! - dirão outras.

A minha língua diz que tudo isso de que me acusam é verdade e a minha expressão facial diz que me estou a borrifar.

E assim foi, cumpri com a directiva de manter a poluição causada pelas minhas deslocações a zeros. Exceptuando ali uma ou outra libertação casual de metano, mas isso são contas de outro rosário.

domingo, 19 de setembro de 2010

Atletismo 2

Samy(tech) disse hoje em declarações a este jornal estar insatisfeito com a sua posição na prova de orientação que decorreu na manhã de hoje na baixa do Funchal: "o terceiro lugar é uma boa classificação, mas tendo em conta que em primeiro lugar ficou uma indivídua de cadeira de rodas e em segundo lugar ficou uma idosa tenho para mim que com um pouco mais de esforço conseguia fazer melhor".
Recorde-se que este jovem atleta, hepta-campeão olímpico da maratona, vice da vice campeã de orientação participou pela primeira vez nesta modalidade e fez questão de o frisar: "epá, para prova de estreia não está mal e desta vez só rebolei durante cerca de metade do percurso".

Em Junho último surgiram rumores acerca do seu baixo momento de forma os quais este voltou a desvalorizar: "baixo?? baixo??!! Tenho um metro e setenta e cinco! Achas isto baixo??"

Frederica Peixota da organização falou sobre este soberbo atleta dizendo: "tem potencial mas da próxima tem de prestar mais atenção à vertente disciplinar. Não pode ser considerado desportivismo ou ajudar os adversários apontar-lhes as localizações erradas para os postos de controlo ou passar-lhes rasteiras"


Edit: Ok, pronto, não foram pessoas inválidas que acabaram à minha frente





sábado, 18 de setembro de 2010

Coisas que se dizem... (2)

1 -  Então e onde é que o deixaste?


2 - Se eu me lembrasse já me tinha lembrado!...

Coisas que se dizem...

"Mon ami??!! Isso não é obrigado em françês?

domingo, 29 de agosto de 2010

3 razões para eu ser feliz

1 - Hum...não me lembro de nenhuma


2 - Ah, ja sei, vou ser rico e famoso


3 - E é isto...

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Dia 2 - A recuperar dos danos

Dia dois das férias. Dado o escaldão de ontem grande parte do dia de hoje foi passado a aplicar cremes hidratantes (maricas!!) nas partes afectadas. O dia amanheceu nublado o que até me favoreceu nos meus intentos de deixar a pele acalmar. Optei por praticar um bocado de karting na pista que existe por cá. O vento derivado da deslocação do ar foi uma dádiva dos céus! Ahh! Dez minutos e onze euros depois acabou-se a diversão. Que fazer? Que fazer?
Almoçar à sombra na relva de um jardim ali ao pé pareceu uma boa ideia. O bolo do caco com chouriço estava óptimo. Após ficarmos um bocado por ali optamos por ir até casa nos refrescarmos e regressarmos para uma sessão de praia...nocturna. A água estava melhor de noite. O dia passou num instante


P.S. - Estes meus posts ultimamente não têm tido piada nenhuma..lamento.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Dia 1 - Vermelho que nem um tomate

Cheguei à ilha.

Viagem de 2h30 no meio da qual tive a oportunidade de visitar a ponte de comando do navio (obrigado sr. Comandante pela maravilhosa visita guiada!). O mar estava optimo e a viagem decorreu sem sobressaltos. Encontrar a casa que tínhamos alugado é que foram elas (as pessoas daqui não estão habituadas a que lhes falemos em nomes de ruas e aparentemente não nos sabem dar indicações certas). Mas lá demos com a coisa. Depositamos as nossas coisas (sim, jogamos as malas para um canto e...praia, praia, praia!
Ao fim do dia, escaldão, escaldão, escaldão...e a famosa lambeca.
Já haviam anos que não apanhava uma insolação...
Jantar: esparguete à bolonhesa.
A cor da minha pele curiosamente está da mesma cor que a bolonhesa. Sou homem e não sou muito pelas tonalidades da mesma cor, mas a minha pele está ali pelo lagosta. Pareço um perfeito 'bife'.

Um euro e meio para tomar um duche nos balneários da praia?? Ahhhh, era o que faltava! Como se não tivesse água em casa!!

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Dúvidas existênciais...

Porque é que no arraial, quando naquela musica o cantor perguntava quem era o gostosão, toda a gente olhava para mim?

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Post de merda*





MERDA!!!!!





*literalmente



segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Open House aqui no tasco!

Durante 48 horas estarei disponível para responder às questões que me queiram colocar. Façam comentários com as vossas perguntas.

Sou todo vosso e vale tudo menos puxar cabelos e perguntar quem sou :)

domingo, 1 de agosto de 2010

A propósito da nova publicidade de "A vaca que ri"

Uma vaca a comer queijinhos feitos com o seu próprio leite pode ser considerado canibalismo?

Conversa com as criaturas (4)

- Daqui a 8 minutos vais mudar para a RTP2

- Está bem. Quanto tempo é que falta?

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Woohoo!! Seis seguidores!! Aweeeee!

[este é apenas um parentesis (dois, de facto) para alertar que este post será lamechas. Spoiler alert, irei rejubilar com a chegada dos meus seguidores a um número redondo - a meia dúzia (se bem que zero também era um número redondo), no entanto manifestando alguma confusão com isso, irei me queixar do facto de ter poucos comentários às minhas belas postas de pescada e ainda irei pedir (implicitamente) que me enviem emails, para dar uso ao dito cujo]

Para dizer a verdade não sei o que tenho feito para merecer tamanho reconhecimento. Escrevo p'ra aqui umas baboseiras sem piada e parece que o pessoal atina com isto. Bem, só vos posso agradecer! O Samytech esforça-se por agradar aos seus leitores e por isso, para não deixar os seus seguidores com o rótulo de pessoas de mau gosto vai tentar subir o nível aqui no estaminé.

Num tópico não relacionado com este (mas que no entanto possui alguma relação), tenho reparado que as visitas aqui ao blogue têm aumentado, no entanto tal não se tem traduzido num aumento do número de comentários. O pessoal, por alguma razão que ainda me escapa vem cá, aparentemente gosta (pois alguns até voltam) mas não se sentem compelidos a comentar, nem que seja para dizer um olá! Até criei um email de propósito e tudo mas não recebi nenhum email!

terça-feira, 27 de julho de 2010

To pee or not to pee, that is the question! (aliás, a questão é 'como?')


Desporto é geralmente uma actividade física ou mental que está sujeita a determinados regulamentos e que geralmente visa a competição entre praticantes. Esta é uma definição da wikipédia e só por aqui já podemos ver que sexo não pode ser considerado desporto. É porque não está sujeito a regulamentos. Mas o desporto de que vos queria falar é um bocado diferente. Os atletas estão montados, de facto, mas neste caso é numa bicicleta. Trata-se do ciclismo.
Eu não pesco muito de ciclismo mas posso dizer-vos com verdade que aprendi a andar de bicicleta numa bicicleta de corridas - true story. Ainda a tenho, algures, acho eu.
Guardo com carinho algumas das recordações desses tempos: o nariz a sangrar, o cotovelo esfolado, as pernas todas negras, enfim. Belos tempos!
Sabeis pois que o Tour de France chegou ao fim à poucos dias e isso deixou-me a pensar.
Muitas modalidades desportivas me levam a levantar questões interessantes e pertinentes mas nenhuma me levanta tantas questões como o ciclismo. É que sabem, algumas etapas demoram algumas horas. Qual é a pancada deles com o amarelo? Porque é que andam todos juntos? Como é que eles urinam?
Esta última questão é que tem dado cabo de mim e finalmente descobri a resposta. Ei-la: 

[parece que quando tem de ser, tem mesmo de ser...]
Aparentemente param todos e urinam ao mesmo tempo. É o que se poderá chamar de companheirismo ou solidariedade. Mija um, mijam todos! Há ainda aqueles mais práticos que simplesmente puxam para fora e aliviam-se while on the road, o que pode ser chato caso estejam pessoas na beira da estrada.
Existe ainda uma regra que não está escrita e que dita que se algum ciclista tentar se aproveitar destas paragens forçadas, também chamadas de nature breaks será mal visto pelos restantes ciclistas e será atacado por eles.
Partilho portanto esta curiosidade convosco.
Outro tema interessante e que me leva a pensar que os ciclistas têm um cariz comunista são as quedas. Pronto, quando um urina urinam todos ainda se percebe, mas aquela cena de quando um cai caírem todos é um bocado parva.

Não é? É que assim aleijam-se todos!

segunda-feira, 26 de julho de 2010

And the winner is...

À poucos dias lancei um passatempo neste blogue. Podiam encontra-lo aqui. Apenas duas pessoas participaram e apenas uma pode ganhar.

Ganhou o Treteiro e o prémio era sugerir um tema para eu desenvolver aqui no tasco. De uma forma engraçada e muito gira, entenda-se, pois de lamechiçes estamos todos fartos.
O tema sugerido foi "corridas de bicicletas" em jeito de comemoração (?) do final do Tour de France. Veremos como me safo.

O post a desenvolver esse tema será publicado oportunamente!

Encontros (final)

Ele olhou novamente para o guardanapo de papel que tinha na sua mão e onde tinha escrito o seu número de telefone.
Isto é parvo - pensou - porque é que não consigo fazer isto? Pareco um miúdo!
Pegou no seu copo, respirou fundo e bebeu tudo de uma só vez. Era agora. Tinha de ser.
Olhou mais uma vez na direcção dela tentando ganhar coragem. Ela estava a olhar para ele.
Ele levantou-se da cadeira. Ganhou coragem e dirigiu-se para ela. O mundo parecia fugir-lhe debaixo dos pés. Sentia o seu coração bater mais forte. Uma gota de suor começou a formar-se na sua testa. Outras se seguiram.
Ele não desistiu. Faltavam apenas mais alguns passos até ela.
Quando finalmente chegou junto a ela não conseguiu falar. Apenas teve tempo de lhe estender o papel com o seu número antes de desmaiar.

Ele sentia-se bem, sentia-se leve. Como se estivesse a voar. Ao longe ouvia ruídos que não conseguia distinguir. Aos poucos começou a distinguir o som de uma sirene e vozes. Uma das vozes era doce. Melodiosa.

Acordou na ambulância a caminho do hospital. Ao seu lado estava ela, a rapariga que ele passou a noite a tentar ganhar coragem para conhecer.
Olá - disse ela - pregaste-nos cá um susto! Eu sou a Julie.
Ele sorriu. Desculpa - balbuciou - o meu nome é Salvador. Estive toda a noite a pensar como haveria de te conhecer.
Descansa agora, teremos muito tempo para falar
Ela sorriu e deu-lhe um beijo na face. Ele adormeceu. Estava exausto e ainda sentia o mundo a girar à sua volta.
Mas estava feliz.

domingo, 25 de julho de 2010

Programa 11 - Centrifugação

Eu sei, eu sei...tinha prometido publicar por volta desta hora o resto da minha short-story e vocês chegam cá e é isto que têm, exactamente cinco minutos após o prazo que eu tinha fixado...
Não é por falta de aviso! Já vos tinha dito que não sou bom com promessas, de maneiras que publicarei o final da história no devido tempo. Estou a gostar de ver as visitas a aumentar e quero prolongar um pouco mais o efeito de suspense :)


A todos aqueles que se questionam sobre o que é que o título tem a ver com o post eu respondo: nada.

sábado, 24 de julho de 2010

Sol, Minis e Tremoços

E bem...daqui a pouco vou dar umas caimbradas ao aquaparque. Não sintam muita inveja, vai ser somente uma das melhores tardes que vou ter em muuuuito tempo... :)

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Vou...

criar suspense. A conclusão da pequena história que venho a escrever neste blogue está para breve. Será publicada amanha às 00h30. Até lá terão de levar com os posts do costume.
Volto já com mais desenvolvimentos.

Encontros (parte 2)


Passaram breves momentos e ele ficou paralisado com aquela imagem. Ela trazia um vestido azul e os seus compridos cabelos louros esvoaçaram com a movimentação do ar.
Os seus olhares encontraram-se quando ela passou por ele. Os olhos dela - reparou - eram  azuis, de um azul como ele nunca tinha visto.
Ela seguiu, aparentemente indiferente à atenção de que era alvo e juntou-se às suas amigas numa mesa próxima.
Os bêbados haviam finalmente abandonado a jukebox. A música ambiente fazia-se agora em tons de Katie Melua e ele conhecia aquela música de cor. The closest thing to crazy, era o seu nome e era uma das suas músicas preferidas.
Fez sinal ao bartender e pediu mais um gin tónico. Para ganhar coragem - pensou.
Lançou mais um olhar ao grupo de raparigas. Mostravam-se aparentemente divertidas. O doce aroma do perfume dela ainda pairava no ar. Já se havia apaixonado por outras mulheres mas com aquela finalmente entendeu o que era o amor ao primeiro olhar, à primeira vista.
Um sentimento de insegurança tomou-o de assalto e nesse momento ela lançou-lhe um olhar.
Ele sorriu-lhe de volta. Um sorriso tímido. Criou-se por momentos uma atmosfera entre ambos e ele continuava sem saber como agir. Baixou a cabeça e fingiu mexer no seu telemóvel. Precisava de ganhar tempo. Precisava de se acalmar. Definitivamente os contactos sociais não eram o seu forte.
A ansiedade e a timidez estavam a tomar conta do seu discernimento.
Pegou numa caneta e retirou do suporte um guardanapo de papel. Nele escreveu o seu número de telefone destinando-o à "rapariga de olhos azuis".
Sentia-se a fraquejar. Sentia-se impelido a chegar à fala com ela, a dizer algo, mas ainda não tinha ainda coragem. O gin não estava a funcionar...
De onde estava ouvia as raparigas a conversarem. A voz dela era doce e harmoniosa, devia ter uns 28 ou 29 anos. O seu grupo conversava sobre um livro que o namorado de uma delas havia publicado recentemente. A pura da loucura - pareceu-lhe ouvir uma delas dizer. O nome não lhe era estranho.
Os seus olhares cruzaram-se novamente e ela sorriu. Ele sorriu também. Timidamente, como de costume. Eles estavam a observar-se mutuamente e à socapa e o clima estava criado.
Vai lá, fala com ela! - pensava para si mesmo.



...continua...

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Encontros (parte 1)

Era um fim de noite de Quarta-Feira e ele estava sentado ao balcão do bar que usualmente frequentava. Geralmente só  lá ia às Quintas-Feiras à noite. Sozinho, sempre sozinho. Era um ser tímido, misantropo por excelência e o que sentia nestas saídas não era mais do que repúdio. E pânico.
Apenas algo mais forte o fazia suportar estar assim num ambiente público. Apenas algo intenso o fazia embrenhar-se na sociedade e nos seus prazeres. Nesse dia sentira-o. A solidão. Uma solidão mais forte do que aquela que habitualmente sentia impelira-o a sair e a envolver-se no meio da multidão.
Agora sentia-se desprotegido. Despido. Fora do seu ambiente natural, uma cave arrendada nos subúrbios a um casal de emigrantes.
Tomou mais um gole do seu quarto gin tónico da noite enquanto percorria com o olhar o ambiente em redor. Várias raparigas universitárias costumavam frequentar aquele bar mas ele ainda não tinha avistado nenhuma naquela noite.
Ao fundo, dois bêbados haviam-se apoderado da jukebox e a música ambiente fazia-se numa mistura desconcertante dos mais recentes êxitos da dance music e de êxitos de um cantor famoso nos anos 90 e do qual não recordava o nome.
Patifes... - rosnou entredentes.
Olhou para o relógio e suspirou, passava já da meia noite. Tinha de se levantar cedo, nesse dia começava a trabalhar num novo projecto.
Pagou a conta e dirigiu-se para a saída. Nesse momento um grupo de raparigas entrava ruidosamente no bar.
Foi então que a viu. Quase imediatamente sentiu um inebriante aroma a Valentino V. Seria dela?
O mundo em seu redor passou a mover-se em câmara lenta e era apenas ela que lhe prendia os sentidos. Não a conhecia, nunca a tinha visto antes, mas sentia no seu âmago que era por ela que havia esperado todos estes anos.



...continua...

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Promessas...

São de todos os tipos as promessas que se fazem todos os dias. Muitas delas de cariz religioso, para quem acredita nessas coisas ou delas retira a inspiração para as suas tarefas mundanas. Para mim que não sou dado a essas coisas do espírito, as promessas são apenas resoluções que faço a mim mesmo quotidianamente. A mais recente que fiz foi a de arrumar hoje a casa quando chegasse do trabalho. São 23h30 e não arrumei e daqui a pouco, após a escovagem da minha cavidade bucal irei dormir com (mais) uma promessa por cumprir.
As promessas têm uma relação algo estranha comigo, se é que podemos chamar relação àquilo que tenho com as promessas. Quando prometo algo é mais que certo que não o vou fazer.
Fiz recentemente uma outra promessa, se bem se recordam. Foi a de actualizar constantemente este blogue. Coisa que não tenho feito com a regularidade que gostaria. E mesmo as actualizações que tenho feito na forma de posts não têm saído com a qualidade (podemos chamar-lhe isto?) que me caracteriza. Senão vejamos, em três posts recentes coloquei três imagens. Coisa que, acredite-se ou não, não é a minha imagem de marca. Estou a ficar fraquinho, estou...

Agora que já captei a vossa atenção, e já que estão por cá, indignem-se comigo: qual é a das pessoas irem para a televisão convidar os telespectadores a irem ao arraial de nossa senhora do XPTO? Da ultima vez que reparei, os arraiais eram eventos abertos, de acesso livre e para os quais não são necessários convites. Mas qual é a lógica daquilo?? Digam antes que gostariam de divulgar o arraial. É que o uso indiscriminado da palavra convite retira a exclusividade aos eventos que são efectivamente exclusivos. É que já ninguém leva a sério um gajo ter um passe para a zona VIP de certa e determinada casa de divertimento nocturno pá!


terça-feira, 20 de julho de 2010

O que é que estou a fazer?

Bem, neste momento estou a passar uma pilha de roupa a ferro....

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Questões de Marketing...

Já estava com saudades de falar de marketing e logo eu que sou tão entendido (cof cof) nessas coisas!
Muitas marcas importantes no mercado nacional têm investido na publicidade como forma de aumentar a sua notoriedade e o seu reconhecimento pelos consumidores. Muitas dessas publicidades revelam-se flops autênticos no momento em que tentamos adquirir os produtos publicitados.
Uma dessas marcas é a MacDonalds. Aquela publicidade relativa ao mundial com o Simão estava demais e a sua notoriedade cresceu ainda mais quando o Simão efectivamente fez a dança de que falavam na publicidade em análise.
Ora, chegados aos restaurantes da MacDonalds apanhamos com coisas que nos fazem perder o apetite. Não, não estou a falar da suposta origem das carnes por eles utilizadas. Falo, isso sim, dos seus funcionários. Mais especificamente das funcionárias.
É que chegar a um restaurante com apetite suficiente para comer uma vaca e perdermos o apetite de tal forma que um menu normal nos parece um banquete, é obra!! E de quem é a culpa? Dos vossos funcionários. É que chegar lá e olhar para caras que parecem estaleiros de obras...meus amigos, não é fácil aguentar o apetite muito tempo...e nem falo da cara para baixo, é mau demais.
Meus senhores, ponham os olhos no stand da Zon na Expomadeira. Bons produtos e boa apresentação! Aquilo sim é material de qualidade. Televisões 3D, miúdas giras e boas, boxes HD com disco rígido, miúdas giras e boas, telefones sem fios, miúdas giras e boas e placas de banda larga. E miúdas giras e boas!
O stand da Brisa também estava bem frequentado. Muuuuito bem frequentado. Ai sedinha sedinha...


É nestas alturas que me sinto super bem por ser solteiro. É que desta forma não tenho de medir as consequências derivadas do facto de ter escrito este post (caso a minha hipotética namorada o lesse), porque não as há! :)


E sai um post fraquinho para a mesa seis!

sexta-feira, 16 de julho de 2010

E um dos meus passatempos preferidos é...

...a fotografia. Na óptica do utilizador, que é como quem diz, do apreciador que embora não tirando fotografias, vai apreciando o que de qualidade se faz nessa área.
A propósito, muitas das fotos do World Press Photo estão em exposição no teatro municipal do Funchal e eu ainda não arranjei tempo de lá ir ver. Nem tempo nem companhia. A ver se trato disso na próxima semana.

Mas para além da fotografia jornalística e da mais que conhecida fotografia turística ou familiar, se há estilo de fotografia que aprecio mesmo mesmo mesmo é a fotografia de nus artísticos. Por razões óbvias. Nus artísticos femininos, diga-se. 


Não sei, e confesso que já despendi algum tempo a este pensamento, o que fazem os fotógrafos para conseguirem convencer umas miúdas a se despirem em frente a uma objectiva. E em frente a eles, claro! É que eu já tentei, confesso que já, mas a coisa não resultou lá muito bem. Não percebo porquê, mas deixamos de ser amigos. Quer-se dizer, a modelo deixou de falar aqui com o je.
Será do facto de a minha máquina fotográfica não ter nada de profissional? É que tenho daquelas mais básicas e quando fiz a proposta que vos falei no parágrafo anterior, até era para tirar umas fotos com o telemóvel. Ainda sou iniciante, não me posso meter em aventuras.

Portanto minhas amigas, alguém se chega à frente para me ajudar a entrar no mundo da fotografia? Nomeadamente, no mundo do nu artístico?

Pensem nisto: é que podem ficar famosas ;)

Olha quem ele é!!!

É o meu amigo, o polvo Paul!

Então Paul, que previsões nos trazes hoje?


hum......de certeza??

Querendo criar constrangimentos...

...ora cá vai: 3, 2, 1...
via

Mas vocês querem ver que...

...no próximo mês de Setembro farão 6 anos desde que uma ínsigne pessoa tirou a carta de condução (ou como diria um polícia, desde que adquiriu a sua habilitação legal para a prática da condução de uma viatura automóvel na faixa de rodagem)? E devo acrescentar que essa pessoa conduz excelentemente bem desde a sua primeira aula. É daquelas coisas natas, sabem?
Entrou na escola de condução sem saber o que era uma embraiagem e saiu de lá um ás no volante. Um gajo que se quisesse, poderia ter entrado em rallies. E oportunidades não lhe faltaram, mas optou por estudar para engenheiro. Até porque pilotos de rallies há muitos...
Na escola de condução aprende-se imenso. Como se comportar perante passagens de nível, perante a sinalização e perante a faixa de rodagem. Esquecem-se de ensinar a comportar perante os outros condutores. Ah! E também não ensinam como se comportar perante um acidente. E isto, parecendo que não, é importante.
Falemos agora na primeira pessoa.
Até há bem pouco tempo eu, Samytech Manuel, nunca tinha estado envolvido num acidente de viação. Nunca tive um acidente na vida nem nunca tinha sequer dado um risco no carro. Vocês podem agora estar a comentar "ahh, mas se nem tens carro!" e até é verdade. Não tenho carro. É dos meus pais, portanto não é meu. E na realidade eu não tive um acidente. Na realidade tiveram um acidente contra mim. Bateram-me por detras, que é a forma mais traiçoeira de bater. É que bater pela frente é de homem. Agora, por detrás???
Bem, grande carro este! Ficou na mesma! Nem um risco, nem uma marca, nem uma amolgadela...nada! Nada para contar a história mesmo. Bem...a chapa da matrícula está empenada, mas julgo que isso não conta.
Para recordação ficou, isso sim, uma dor no pescoço que me perseguiu durante todo o dia.
Para não dizerem que não faço serviço público neste blogue (a propósito, cuidado com os incêndios e tal e tal) vou descrever a sensação no momento do choque. A reacção para os ocupantes do veículo automóvel que eu conduzia na faixa de rodagem foi a mesma que teria caso estivesse parado (que por acaso estava) e, com a  mudança engatada, tirasse o pé da embraiagem: um safanão. E foi isso mesmo que me passou pela cabeça! Pensei para mim: oh Samytech Manuel, então tu vais-me tirar o pé da embraiagem??

Culpados? A minha irmã... Sim, a minha irmã. Foi ela a responsável por eu estar naquela rua àquela hora. Ahh, e a gaja que me bateu por detrás. Sim, era uma senhora...e sim, estou a generalizar...

Devo dizer que ter um acidente é do catano. É que é mesmo do catano E mexe com o sistema nervoso e tal e tal. Saí do carro pronto a rebentar trombas e tudo. Logo eu, que não sou dado a violências...
Só me acalmei quando vi que não tinha acontecido nada ao meu carro.
O certo é que até ao trabalho senti as pernas a tremer o que, parecendo que não, dificulta imenso a coordenação necessária para a condução.
O carro é do meu pai e ainda não lhe disse nada. Como acham que lhe devo dizer?
O autor do comentário com a ideia mais original será premiado com a possibilidade de sugerir um tema para um post a desenvolver futuramente.
Venham de lá essas ideias!

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Samytech 2 - O regresso


Eu tenho estado ausente. Isto tem estado fechado para obras de modos que não tenho cá vindo.

Esperava que quando regressasse tivesse comentários às centenas notando a minha falta e pedindo encarecidamente o meu regresso.

Não tive nem um comentário. Nem um!

Ninguém notou a minha falta, o que é mau (isto é uma indirecta). Só estou a esclarecer, para o caso de a indirecta não vos ter sido directa o suficiente, porque isto das indirectas leva a que vocês pensem que o que estou a dizer não é para vós. Eu esclareço: é mesmo para ti. Sim, tu que estás alampado à frente do computador a ler isto. Não olhes por cima do ombro, estou mesmo a falar contigo.

Bem, agora que já tirei as teias de aranha daqui do estaminé, voltarei novamente aos posts regulares. Mais regulares do que antes até! Pelo menos assim o espero.

Mi aguarrrrrdem!


terça-feira, 29 de junho de 2010

Olé!!

Lembram-se disto? Ah pois é bebés!


E ainda por cima foi na Cidade do Cabo. Eu só não acerto nos números do Euromilhões...nem nas estrelas.

domingo, 27 de junho de 2010

Apeteceu-me pôr uma foto minha :)

No cockpit de um F16. Belos tempos em que andei pela Força Aérea...

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Biografia não autorizada de uma insigne* pessoa

Pelas 11h30 do dia 25 de Junho de 1985 nascia no Hospital Central do Funchal um ser humano extraordinário. Nascido por cesariana (não se deu à maçada de dar a volta no útero) a primeira coisa que fez foi chorar.
A sua infância foi passada num concelho rural, tendo dividido o tempo da sua infância até aos 4 anos entre a sua ama, a sua casa e o trabalho da sua mãe num centro de saúde. Cresceu por isso habituado aos cheiros de hospital e demarca-se dos demais por não achar aqueles cheiros desagradáveis. Aos quatro anos de idade esta promitente criança entrou num jardim de infância onde para além de fazer muitos amigos aprendeu a contar. Aos cinco anos este insigne rapaz manipulava com destreza as 4 operações matemáticas básicas (soma, subtracção, multiplicação e divisão) e no verão antes de entrar (com seis anos) para a antiga 1ª classe aprendeu a ler.
Cedo surgiu o seu fascínio pela astronomia quando no seu 7º aniversário recebeu de oferta da sua mãe o livro "Atlas da Astronomia". Desde então, este ser humano absolutamente notável dedicou-se ao estudo da Astronomia, conhecendo o céu como poucos.
Cresceu e estudou, destacando-se sempre pela sua dedicação, simpatia, companheirismo e humildade. Ajudou a cuidar dos seus dois irmãos mais novos. Todos sem excepção lhe reconhecem capacidades excepcionais acima da média.
O ano de 1997 foi um ponto de viragem. Nesse ano melhorou a sua caligrafia adquirindo capacidades para escrever "bonitinho" e com "letra de gaja".
Foi por vários anos o melhor aluno da sua turma e, não sendo aluno de nota 20, andou a rondar essa mítica marca por várias vezes. Desde cedo se notou a sua extraordinária habilidade nas disciplinas técnicas e científicas chegando inclusive a declarar numa aula de "Língua Francesa" no seu 7º ano "não preciso de saber falar francês pois a matemática será a língua universal".
Viveu imberbe até aos 14 anos.
Este proeminente madeirense fez o ensino secundário no agrupamento 1: Científico-Natural na área rural onde cresceu, cativando os seus professores com a sua capacidade de argumentação e a sua argúcia. Muitos dos seus antigos professores ainda hoje não conseguem esconder a sua admiração por este distinto ex-aluno.
Em 2003 decidiu versar Engenharia na Universidade da Madeira, por ser naquela universidade que havia um curso que unia Engenharia e Astronomia. Foi, até hoje, o aluno que concluiu este curso no mais curto espaço de tempo.
O ano de 2008 foi terrível para si, no entanto manteve-se como um símbolo de solidez e de força entre os seus pares não se deixando ir abaixo, fazendo crescer ainda mais a admiração de que era alvo.
É actualmente um Engenheiro promissor que trabalha num laboratório de investigação e desenvolvimento na Madeira.
Hoje 25 de Junho de 2010, a 10 minutos de fazer 25 anos, escreveu estas linhas para que fiquem registadas para a posteridade



Esse ser humano extraordinário...sou eu! E hoje é o meu aniversário!


*que se distingue entre os demais. Destacado, distinto, famoso, ilustre, notável.

Time goes by...

A falta de tempo é um dos flagelos do século XXI. Afecta sobretudo os trabalhadores e todos aqueles que, não estando empregados desenvolvem actividades em prol da comunidade. 83% dos trabalhadores afirmam peremptoriamente: "é verdade, não tenho tempo para nada...e envergonho-me por isso."
Apesar de ser um ser humano espectacular, infelizmente não me demarco destes 83%. Sou, sem dúvida, uma pessoa que anda sempre atrás do tempo e nunca tem tempo para fazer tudo o que pretende. Ou tenho muitas actividades para o tempo que tenho, ou então não consigo rentabilizar o meu tempo livre. Vou admitir, por ser mais fácil, que tenho um problema. Este deve ser o primeiro passo. Passo 1: confere!
O passo 2 é procurar ajuda e foi o que eu fiz: comprei um livro sobre gestão de tempo. Passo 2: confere!
O passo 3 está a ser o mais complicado. É que o meu problema acaba por ser tão grave que eu nem sequer tenho tempo para ler um livro...sobre gestão de tempo. E assim não vou lá!

terça-feira, 22 de junho de 2010

Promiscuidades

Não gosto muito de falar de futebol aqui no blogue e muito menos sobre a Selecção Nacional mas alguns comportamentos que tenho observado neste último dia levam-me a tecer algumas considerações importantes. Falemos então um pouco sobre a hipocrisia. Antes de mais, uma definição completamente da minha autoria:

Hipocrisia
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre

A hipocrisia é o ato de fingir ter crenças, virtudes, ideias e sentimentos que a pessoa na verdade não possui. A palavra deriva do latim hypocrisis e do grego hupokrisis ambos significando a representação de um ator, atuação, fingimento (no sentido artístico). Essa palavra passou, mais tarde, a designar moralmente pessoas que representam, que fingem sentimentos.


Feita esta definição, totalmente original e da minha autoria, ficam uns comentários que se podiam ler em algumas notícias de jornais online sobre a equipa nacional.

Antes da vitória por 7-0 frente à Coreia do Norte:
"com este selecionador vamos passear..."
"Isto não é Portugal, é Brasil B"
"Ho' carago, claro que bamos ganhar...bamos ganhar muito juízo.."
"Não se iludam Portugal não passa da 1ª fase."
"Quem foi o atrasado mental que escolheu esta selecção?"


Após a vitória por 7-0 frente à Coreia do Norte:
"Grande goleada. Sete secos. Viva Portugal."
"Desta vez Queiroz não inventou."
"Eu como português que sou, nunca duvidei do trabalho do Carlos Queiroz. "
"Amo-te minha doce Elaine"
"Onde estão os críticos de Queiroz e os que só sabem dizer mal da selecção??? Que os xupem...."


Como podemos ver nesta amostra de comentários o povo português é bastante íntegro e consistente. E não é nada, nada, nada hipócrita.


Está bom de ver que a relação do povo português com a sua selecção é semelhante à relação de um marido promíscuo com uma mulher com baixa auto-estima: por muito traída que a mulher seja, acaba sempre por aceitar o marido de volta.


Nota: Incluo-me, obviamente, na categoria de "povo português"

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Cerveja, tremoços e futebol


(tenho a certeza que com esta foto as visitas vão aumentar...)

Sou só eu que acho que se está a dar demasiada importância a um evento em que 11 palermas seres humanos extraordinários do nosso país correm atrás de uma bola jogam futebol, não contribuindo em NADA para o aumento da produtividade, do desenvolvimento económico e social e da qualidade de vida por cá? Por causa desses 11 palermas excelentes jogadores o país quase pára. 

Não queria estar a vaticinar resultados, mas hoje Portugal perde por 2-0 ganha por 7-0.

O Queiroz está a corresponder a 100% às minhas expectativas: nenhumas!

Depois não digam que não vos avisei.

Edit: Eu disse que Portugal perdia por 2-0?? Peço desculpa, não me fiz entender. O que eu queria mesmo dizer era que Portugal ganhava por 7-0!